Terça, 16 de Julho de 2019
Votação da MP da reforma administrativa é adiada
15/05/2019 as 08:47 | Brasil | Da Redaçao
A dificuldade do governo de articular uma base aliada adiou a análise da Medida Provisória que garantiu a redução no número de ministérios promovida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Na noite desta terça-feira (14), o líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo, anunciou que havia conseguido o apoio dos líderes partidários para que a MP fosse votada e que as mudanças promovidas no texto fossem revistas já nesta semana.

A declaração fez com que as legendas de centro retirassem o apoio à MP e, diante do risco de vê-la rejeitada, o colégio de líderes decidiu adiar a votação para a próxima semana.

As críticas à postura do Major Vítor Hugo vieram inclusive de parlamentares do partido dele, o PSL. A legenda está rachada entre aqueles que defendem ceder para conseguir o apoio do centrão e os que avaliam que é melhor manter a independência no Congresso Nacional.

Dentre as mudanças feitas no texto da Medida Provisória estão a retirada do Coaf da alçada do ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por Sergio Moro; a recriação dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional; e a determinação de que a demarcação de terras indígenas ficará a cargo da FUNAI e não mais do ministério da Agricultura.

A MP precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até 3 de junho senão perde a validade e a esplanada volta a ter a composição do governo do ex-presidente Michel Temer, com 29 pastas.
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com