Segunda, 22 de Julho de 2019
Autora espera que filme ajude mulheres a assumir sexualidade
13/01/2019 as 09:46 | Mundo | Da Redaçao
“Fallen” (2016), “Dezesseis Luas” (2013) e “Se Eu Ficar” (2014) são produções que miram o público infanto-juvenil e que tentaram reproduzir o grande fenômeno cultural que foi “Crepúsculo”.

A série cinematográfica adaptada da obra de Stephenie Meyer gerou algumas fanfics – como são conhecidas as histórias criadas por fãs inspiradas por uma determinada obra. Assim nasceu “50 Tons de Cinza”, outro gigantesco fenômeno cultural que migrou dos livros para os cinemas e que agora suscita comparações com “After”, fanfic que rendeu quatro livros e cujo filme estreia em 11 de abril no Brasil.

Em “After” , Tessa Young (Josephine Langford) é uma estudante dedicada, filha obediente e namorada fiel, em seu primeiro semestre na faculdade, experiência que irá descortinar uma série de novas possibilidades para ela. É lá, por exemplo, que ela conhece Hardin Scott (Hero Fiennes-Tiffin), um encantador e rebelde garoto que a leva a questionar tudo o que ela pensava que sabia sobre si mesma e sobre o que ela quer para sua vida.

No Brasil para promover o filme e seu novo livro “Stars – As Estrelas Entre Nós”, o primeiro volume de uma nova trilogia protagonizada por uma jovem mulher, a autora Anna Todd bateu um papo com o iG Gente sobre as expectativas para o lançamento, como é escrever sobre sexo para jovens mulheres no mundo de hoje e como ela se parece mais com o rebelde Hardin do que com a heroína de sua obra mais famosa.

“Eu não me incomodo com as comparações com ’ 50 Tons de Cinza ’, observa de pronto a americana de 29 anos, casada e mãe de um garoto. “Eu adoro escrever sobre questões que envolvem sexo e eu absolutamente amo ‘50 tons’. Amo o que ele fez pelas mulheres. Eu não teria esse trabalho como escritora e não veria meu livro virar filme se não fosse por ele”.

Todd argumenta que apesar de perpassar temas de natureza sexual o filme não tem tantas cenas de sexo como o teaser sugere. “Isso é uma coisa do marketing”, revela ela. Todd diz que já assistiu ao filme e está muito feliz com o resultado. Ela admite que possa haver uma ou outra mudança em relação à versão que ela já assistiu e aquela que chegará às telas de cinema em alguns meses.

A americana diz que sua obra e o filme, no qual ela participou ativamente desde o processo de roteirização até a escolha do elenco, tem o objetivo de ser progressista em relação à maneira como as meninas lidam com sua sexualidade. “Hollywood e toda a indústria cultural sempre permitiram que os meninos fossem meninos, mas geralmente recrimina um comportamento sexual mais liberal das garotas”, explica Todd novamente evocando os efeitos positivos de um best-seller como o dela e o de E.L James.

A autora reconhece que há sim elementos autobiográficos em Tessa, mas diz ser mais parecida com Hardin do que com a protagonista da série. "Eu simplesmente tenho muito da impulsividade dele e de sua inquietação".

Todd argumenta que tinha consciência de que muita coisa do livro seria deixada de fora ou adaptada para o cinema, mas que ficou muito feliz de participar da produção do filme e de ser ouvida. “After” , que também é dirigido por uma mulher, Jenny Gage, representa uma das maiores expectativas da Diamond Films, distribuidora independente de filmes independente em países latinos, para 2018. A série já vendeu mais 11 milhões de exemplares em todo mundo.
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com